terça-feira, 10 de outubro de 2017

E o seu maior medo, qual é?

Não existe o amanhã. Não existe o depois de amanhã, não existe o depois e tampouco os seus planos para o futuro. Não existe futuro. A gente se agarra no futuro porque no fundo há o medo, e é tão confortável adiar os planos que você nunca teve certeza se aconteceriam, ou até mesmo teve medo de que acontecessem e colocar a culpa no futuro. O futuro é zona de conforto. É auto sabotagem. O futuro é desculpa.
Ou a gente vê isso e encara da melhor forma possível ou não fazemos nada. Nunca.
Eu quero viver todas as possibilidades, eu quero ter dado todas as chances que meu coração pedir. Para todos. Para tudo. Eu quero esgotar os "e se" que nos assombram.
Do que você tem medo?
Eu pensei que pensaria em mil respostas para essa pergunta, no entanto não consegui. Pensei que de repente, a minha falta de certeza para a minha vida profissional seria uma possível resposta à essa pergunta. Pensei. Talvez a solidão, mas não qualquer solidão. A solidão da falta de quem eu mais quero. De quem faz falta, de quem eu um dia, conheci. Alguns nomes que me vêm a cabeça.
Esse é um medo, mas se a solidão vier a acontecer, a gente supera. Ou talvez não, mas se acostuma, pelo menos.
O meu maior medo? Depois de um longo tempo me questionando e pensando incessantemente nessa pergunta, eu encontro um. E é não ser clara, é não me fazer entender a ponto restarem dúvidas. É como se fosse uma fixação oral. Esse é o meu medo. O maior. A sensação de eu não ter feito o possível e o impossível, a ponto de que não percebam. Não entendam.  Eu não quero que algo deixe de acontecer ou aconteça de uma forma menor, menos rica, por eu não ter deixado claro. Por A mais B.
Então, eu exponho. Me exponho. Me deixo toda à luz, nua, para que não seja possível um erro de leitura ou interpretação. Há quem diga que eu me abra muito, mas eu não sei ser pouco. E isso não é ruim.
Acho por vezes, que não consigo expressar com atitudes, então eu abro a boca. E afio os dedos que já são afiados por natureza, e escrevo.
Esse é o meu medo. Acho que nem tem nome específico para esse medo, não inventaram.

Eu comecei a escrever sem saber qual era a razão desse ajuntamento de palavras, mas acho que é essa mesmo. O medo. O que deixamos de fazer por medo, por covardia. Por medo de ser infeliz e de ser feliz também. Pelo peso que esmaga o coração e não nos deixa respirar. E deixa eu te falar meu bem, que nada nessa vida vale mais do que você fazer o possível e o impossível para ser feliz. E que se mesmo depois disso, ainda estiver triste, você sabe que não foi por conta de falta de atitude ou de falar o que precisava ser dito. Se você morresse amanhã, teria dito o que precisava ser dito?

"Eu te amo."

"Você é importante."

"Tô com medo."

"Me ajuda."

"Você é tudo para mim."

"Não vai embora!"

"Volta!"

Você teria dito tudo?


________________E o seu maior medo? Qual é?__________________



Aline Vallim.

E o seu maior medo, qual é?

Não existe o amanhã. Não existe o depois de amanhã, não existe o depois e tampouco os seus planos para o futuro. Não existe futuro. A gent...